Polícia Civil prende vice-prefeito de Novo Acordo e outros dois homens suspeitos de planejar homicídio de prefeito

Por Ascom SSP - Polícia Civil 11/01/2019 - 08:25 hs
Foto: Divulgação - Bom Dia Brasil

A Polícia Civil do Tocantins, por meio das Delegacias Especializadas em Investigações Criminais – DEIC de Palmas e Porto Nacional e Delegacia Especializada na Repressão a Narcóticos – DENARC, prendeu nesta quinta-feira,10, três homens suspeitos de planejar, contratar e tentar executar Elson Lino de Aguiar, prefeito de Novo Acordo, município localizado na região do Jalapão. De acordo com a Polícia Civil, Leto Moura Leitão Filho, vice-prefeito do município seria o possível mandante do crime. OS motivos seriam divergências decorrentes de possíveis irregularidades administrativas.

 

A tentativa de homicídio contra o prefeito aconteceu na tarde última quarta-feira,09, em Novo Acordo. O gestor foi alvejado por três tiros e encontra-se atualmente internado no Hospital Geral de Palmas – HGP. Tão logo teve ciência do ocorrido, a Polícia Civil iniciou o processo investigativo que durou mais de 24 horas ininterruptas. Com as investigações, chegou-se a Gustavo Araújo da Silva,18, que afirmou ter sido agenciado por  Paulo Henrique de Souza Costa,27, que o teria contratado pelo valor de R$ 10 mil para executar o prefeito.

 

 De acordo com o delegado Diogo Fonseca, responsável pela ação policial, as investigações apontaram que o vice-prefeito do município, não satisfeito com o repasse de recursos decorrentes de possíveis transações fraudulentas na administração municipal, teria encomendado o crime. “O não repasse de verbas no município de Novo Acordo resultou em um atrito entre os dois gestores do executivo e em razão disso ele optou pela decisão de ceifar a vida do atual prefeito, também conhecido como Doutorzinho”, afirmou. Segundo o delegado, o principal motivo das divergências seria o rateio de R$800 mil possivelmente desviados da administração pública. “A princípio foram presos três envolvidos, sendo o agenciador, o executor e o mandante. A Polícia investiga agora também a participação de outras pessoas nesse agenciamento, porém até o momento estas três pessoas já estão confirmadas”, ressaltou.